História

Surgiu em 1991, com sede na Rua da República, 19-1, a Associação de Desenvolvimento de Gouveia (ADG). Esta decidiu constituir uma sociedade por quotas, aberta aos sócios da ADG no gozo dos seus plenos direitos, para criar o Instituto de Gouveia.

Em setembro de 1991, o Instituto de Gouveia inicia as suas funções e começa a formar os primeiros jovens. Anos volvidos, a paixão pelo trabalho e o esforço para melhorar o ensino, dotando os discentes de competências transversais, têm dado os seus frutos. Com uma longa experiência em duas grandes áreas de formação (técnicos de Informática de Gestão e Animador Sociocultural), crescemos em ordem a implementar novas dimensões formativas no âmbito da restauração e, num futuro próximo, na mecatrónica automóvel e no turismo equestre, de forma a dar resposta às necessidades sentidas pelo tecido empresarial da comunidade onde a escola se insere.

Em prol de uma excelência vincada em cada novo desafio, crescer tem sido uma utopia em que o imaginário se torna real, almejando uma conquista de quem sabe que o caminho se faz caminhando. Há uma aposta na qualificação dos jovens, um investimento em instalações e equipamentos para que a escola se mantenha na vanguarda das áreas de formação que a tornam uma referência regional.

Tal tem sido uma experiência de crescimento envolvendo os/as alunos/as, as famílias, as instituições, as empresas e toda a comunidade, estabelecendo pontes e projetando parcerias, através de protocolos de formação ou de um Plano Anual de Atividades interventivo na comunidade, com a dinamização de eventos que contribuíram para o desenvolvimento e estímulo do tecido empresarial e cultural da nossa região.

Crescer, evoluir, inovar, trilhando rotas que marcam um novo sentido, demonstrando o valor do saber ser e do saber estar como fatores de distinção. Eis o que procuramos. Com satisfação, vemos os nossos objetivos atingidos, numa rede colaborativa de parcerias que, em estreita ligação, possibilitam, também, um acompanhamento pós formação e um desenvolvimento de estágios profissionais.

Lançamo-nos no desafio de abrir o leque de opções e de escolhas profissionais, no sentido de diversificar a formação dos nossos jovens, de acordo com as áreas que se perspetivam como desafiadoras, e atuais, no que diz respeito à inserção no mercado de trabalho.

Hoje, através da experiência que a escola evidencia no meio, queremos fazer parte de uma história auspiciosa, perseguindo, de guisa estrénua, as oportunidades e os desafios que se vislumbram no horizonte. Uma escola que se quer aberta a todos/as os/as alunos/as, uma escola inclusiva e acolhedora, que faz do acompanhamento pessoal e personalizado o seu dia-a-dia, que entende o ensino e a realidade atual da nossa sociedade com todas as suas vicissitudes e características, com todas as diferenças que se perfilam como escolhos a ultrapassar em prol da criação de uma igualdade de oportunidades pessoais e profissionais.

Bem valem as palavras de Victor Hugo no seu “Hernani”: ad augusta per angusta.